2001: Uma Odisséia no Espaço

Essa semana comemoramos 100 anos do autor Arthur C. Clarke, que entre várias obras de ficção científica escreveu o conto “O Sentinela”, que deu origem ao filme e posteriormente ao livro 2001: Uma Odisséia no Espaço. Dirigido por Stanley Kubrick, a produção sempre aparece em qualquer lista sobre os maiores filmes de todos os tempos, não só dentro de seu gênero, mas para a história do cinema mundial.

Tudo começa com a icônica cena do monólito que surge na Terra, há milhões de anos, entre uma tribo de humanoides. A partir da descoberta desse monólito, os homens da tribo descobrem como se defenderem. Milhões de anos depois, outro monólito é descoberto na Lua e uma equipe é enviada até lá para estuda-lo. Um pouco mais de um ano depois, uma expedição se encontra a caminho de Júpiter, numa nave controlada pelo computador HAL 9000, uma inteligência artificial que acaba se rebelando contra a tripulação.

Lançado em 1968, 2001 é um marco do cinema de ficção científica, que debate questões importantes como existencialismo, evolução humana, tecnologia, criação de inteligência artificial e até a existência de vida extraterrestre. O filme é relevante até hoje, exatamente por sua temática filosófica, com um contexto que não envelhece. A questão do monólito que influencia a evolução humana até seu fim psicodélico com a alegoria do homem retornando ao útero e que esse seria o universo, abre possibilidades infinitas de interpretações.

2001: Uma Odisséia no Espaço é um filme obrigatório aos amantes de cinema e, principalmente, de ficção científica. Desses filmes que deve ser revisto em várias fases da vida, para poder ser percebido de formas diferentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: