Roda Viva

Há 50 anos um grupo do Comando de Caça aos Comunistas (CCC) invadiu o teatro em São Paulo, agrediu e deixou nus na rua os atores da peça “Roda Viva”, entre eles Marília Pêra. A primeira incursão no teatro de Chico Buarque não é um a peça brilhante mas sua temática aliada a montagem feita por José Celso Martinez Correa gerou muita polêmica desde sua estreia em janeiro de 1968 no Rio de Janeiro. Infelizmente patrulha contra a arte não se tornou coisa do passado e continua mais viva do que nunca e precisa, como em qualquer época, ser combatida.

Sou uma grande fã de Chico Buarque e tenho sérios problemas em ler peças de teatro, com isso sempre esperava um remontagem das que Chico escreveu para poder assistir. Foi assim que adorei “Gota d’água” e fiquei mais fã das musicas do que do texto de “Ópera do Malandro”, é por isso também que não conhecia nada do texto de “Roda Viva”, Chico não gosta da peça e não permite que ela seja remontada. A trama é bem simples um cantor que para fazer sucesso tem que ser moldado pelo sistema e o sistema acaba matando-o. Tenho que dizer que concordo como Chico e acho o texto bem fraquinho mesmo.

Benedito Silva vira Ben Silver ao ser apadrinhado pelo Anjo, sua vida é toda moldada para que pareça algo que não é para as fãs e para que consiga ainda mais fãs. Enquanto o Anjo arquiteta a ascensão o Capeta articula a a queda através de manchetes escandalosas de jornal que minam a fama de Ben Silver. Tudo é uma alegoria sobre a sociedade do espetáculo recheada de criticas ao poder da televisão e como ela cria ídolos da noite para o dia. Tudo isso é contado com o apoio de um coro que faz o papel do povo que idolatra e maltrata Ben ao longo da peça. É na voz do coro que ouve-se um clássico da obra de Chico “Roda Viva”. É a música mais famosa da peça mas não a minha preferida, adoro “Sem Fantasia” música que é cantada por Ben e Juliana. Juliana é a esposa de Ben que ele tem que deixar de ter para ser mais atrativo para suas fãs.

A peça termina com o enterro de Ben sendo patrocinado por anunciantes e com Anjo começando a projetar a carreira da viúva Juliana mostrando assim o eterno ciclo da criação artificiais de ídolos pueris. A temática da peça é ótima e poderia facilmente ser explorada nos dias de hoje. “Roda Viva” é uma obras que deve ser lembrada sempre para que nunca mais permitamos que a arte e artistas sejam agredidos e perseguidos, talvez já seja tarde demais, infelizmente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: