Uma Praça em Antuérpia

capa antuerpia v2

Em plena as comemorações dos 60 anos do final da Segunda Guerra Mundial me pareceu apropriado ler um romance histórico que fala exatamente desse conflito. ”Uma Praça em Antuérpia” é o primeiro livro que leio de Luize Valente e já fiquei fã, o seu primeiro romance, “O Segredo do Oratório” já está na lista para futura leitura.

Nossa protagonista é Cecilia, uma senhora que no primeiro dia de 2000 resolve contar para a neta Tita seu maior segredo, segredo que mantém desde sua fuga da Europa no inicio da Guerra. Mesmo esse segredo sendo revelado nas primeiras páginas vou deixar o leitor descobrir por si só. A conversa com a neta, a revelação do segredo, nos transporta para Portugal antes da Guerra. O primeiro terço do livro é dedicado ao infância de Cecilia, o amor da avó, o pai eternamente enlutado pela morte da esposa, a vida na Quinta. O romance começa a engrenar mesmo quando Cecilia chega a Lisboa, não que a primeira parte do livro não seja boa e interessante, mas do momento que Cecilia conhece Theodor até o final o livro ganha outro ritmo, um daqueles ritmos que não dá vontade de parar de ler.

Theodor, o grande amor de Cecilia, é um pianista judeu, polonês e comunista, não há combinação pior para alguém na Europa nas décadas de 1930 e 1940. Theodor está em Lisboa, uma Lisboa salazarista, depois de fugir de uma Alemanha já dominada por Hitler e o nazismo. É nesse clima que ele e Cecilia se apaixonam e, depois de algumas idas e vindas, se casam e vão viver na Bélgica. É na Bélgica, em Antuérpia, que se dá o episódio que dá nome ao livro.

A invasão da Polônia por Hitler e o inicio da Guerra fazem com que Cecilia e Theodor iniciem a jornada de fuga da Europa. É nesse momento que o romance realmente brilha. Quantos livros e filmes de guerra temos que nos mostram o front, o heroísmo dos soldados, a atitude dos lideres mundiais? Aqui, nessas páginas, a guerra é outra, é a guerra pela sobrevivência enquanto a Europa sucumbe diante do poderio alemão. É a historia das pessoas que querem apenas sobreviver, é a fuga em busca do simples direito de existir.

O relato da fuga da família Zus é igualmente triste e viciante. Luize consegue envolver o leitor, não conseguia colocar o livro de lado, queria saber como eles conseguiram sair de mais uma cidade, como conseguiram mais aquele visto, coo cruzaram a França, a Espanha, cada detalhe é mais triste e ao mesmo tempo impossível de parar de ler. A escritora de americana Ursula K. Le Guin em uma entrevista disse que mulheres não escrevem boas cenas de batalha porque para elas o fator humano conta mais, não pude deixar de lembrar dessa entrevista ao ler esse livro. Existem os bombardeios, os soldados, é um livro que se passa em plena a Guerra no final das contas, mas o que importa aqui são as pessoas, os refugiados, as famílias, a humanidade do cônsul português Sousa Mendes que concedeu vistos contrariando Salazar. É o que a guerra gera e não a frente de batalha.

Terminei o livro e fiquei com um gostinho de quero mais, fui logo comprar o outro romance de Luize, adorei sua escrita. É verdade que também fui ouvir Schubert, quem ler o livro vai entender porque.

Compre aqui:

Submarino01 Saraiva Travessa Americanas Livraria Cultura

3 comentários sobre “Uma Praça em Antuérpia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *