The Past is Myself

Como o fascismo surge? Como ele estende seus tentáculos e intoxica todas as camadas da sociedade? Como pessoas que não fariam mal a um cachorro de repente passam a endossar um governo cruel, inescrupuloso e violento? Responder a essas perguntas não é fácil, mas os relatos de quem já viu isso acontecer podem nos ajudar a entender.

sexta-literaria-header-2-1

Christabel Bielenberg era uma inglesa com conexões aristocráticas que se casou com um alemão no início dos anos 1930, adotando a cidadania alemã e indo viver com o marido em Hamburgo. Conforme sua família crescia e seu marido progredia na carreira de advogado, ela viu também a ascensão de Hitler, encarada primeiro com descrença e depois com revolta, e a transformação na vida na Alemanha em todos os sentidos.

Captura de Tela 2019-06-14 às 00.26.04

Ela acompanhou a guerra do início ao fim no centro de poder do Terceiro Reich, encurralada entre a violência do governo nazista e os bombardeios aliados. O marido de Bielenberg, assim como a maior parte dos amigos do casal, participava do movimento de resistência e vai preso quando a conspiração para assassinar o führer falha em julho de 1944. A vida na Alemanha nazista assim como os atos de bravura de seus corajosos amigos são os temas de The Past Is Myself, primeiro livro de memórias da autora publicado em 1968.

A narrativa se divide em vários episódios da vida da autora durante os anos de 1934 a 1945, começando em Hamburgo e passando por Berlim até chegar a um pacato vilarejo na Floresta Negra onde a família se refugiou no final da guerra. Bielenberg é uma contadora de histórias nata, com uma impecável atenção aos detalhes e um estilo direto, franco e eloquente que empresta veracidade ao seu relato de tal forma que ao terminar de ler sentimos como se tivéssemos conhecido seus amigos e vivido suas experiências.

O livro foi um sucesso instantâneo logo após a publicação e chegou a ser adaptado para uma série da BBC. Infelizmente, com o passar dos anos, parece ter sido esquecido e nunca teve uma edição em português. Uma pena, pois os brasileiros de 2019 teriam muito a aprender com ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo
%d blogueiros gostam disto: